Marcação de Consulta: 71 3234.9399

Aumentar fonte: A+ A A-

Notícias

20 de Novembro - Dia da consciência negra

No Dia da Consciência Negra, chamamos a atenção para o glaucoma, uma doença multifatorial que afeta, principalmente, a população afrodescendente.

O glaucoma pode agir de forma aguda ou crônica e afeta, principalmente, pessoas afrodescendentes. A fim de abordar aspectos preventivos, tratamentos e causas, conversamos com a médica oftalmologista, Dra. Auana Fraga. Leia e fique por dentro!



























O que é glaucoma?

Dra. Auana Fraga - Glaucoma é uma doença multifatorial, em que pode ocorrer dano ao nervo óptico com perda progressiva e irreversível da visão. Esse dano ao nervo óptico está relacionado a fatores de risco sistêmicos como oculares, que podem ser mutáveis ou imutáveis.

Quais os sintomas? Qual a diferença dos sintomas na manifestação aguda e na crônica?

Dra. Auana Fraga - O glaucoma, na sua forma crônica, raramente apresenta sintomas, sendo que alguns pacientes só apresentam queixas visuais quando a doença já encontra-se avançada.

Já no glaucoma agudo, as principais manifestações da doença são dor ocular intensa, cefaleia, fotofobia, náuseas e baixa acuidade visual.

Existe como prevenir?

Dra. Auana Fraga - Visando a prevenção do glaucoma, é muito importante ir ao oftalmologista regularmente, para que um exame oftalmológico completo seja realizado. Além disso, os que apresentam fatores de risco devem fazer avaliações mais regulares. 

Quais são os principais danos causados pela doença à visão?

Dra. Auana Fraga - Na maioria dos casos, a doença progride lentamente, sem que o paciente note a perda gradual da visão periférica.  Não havendo tratamento adequado, pede evoluir para cegueira.

Como é o tratamento?

Dra. Auana Fraga - Depende do tipo do glaucoma. O glaucoma crônico, mais comum, é tratado com colírios para reduzir pressão intraocular, podendo necessitar laser ou cirurgia antiglaucomatosa. 


É verdade que é mais prevalente na população negra? Por que isso ocorre?

Dra. Auana Fraga - Os negros apresentam diferenças estruturais oculares que parecem levá-los a uma maior predisposição à doença. O glaucoma desenvolve-se mais precocemente e progride mais rapidamente entre os negros.

Qual o comparativo entre a incidência em negros e as demais raças?

Dra. Auana Fraga - No GPAA a prevalência entre os negros é maior em todas as faixas etárias, quando comparadas às populações brancas e asiáticas. Em indivíduos acima de 70 anos de idade, a prevalência nos negros foi de 16% seguida de 6% entre os brancos e 3% na população asiática.

Atinge mais homens ou mulheres? Em qual faixa etária é mais comum?

Dra. Auana Fraga -
 Em relação ao gênero, os trabalhos científicos são mais conflitantes, mostrando que as mulheres compreendem 55% dos casos (GPAA).

O GPAA (glaucoma primário de ângulo aberto - mais comum) desenvolve-se, mais comumente, em faixas etárias mais elevadas. Normalmente em pacientes acima de 40 anos.

Além da população negra, existem outros grupos de risco?

Dra. Auana Fraga -
 Os principais fatores de riscos são pressão intraocular elevada, idade avançada, história familiar, pacientes com baixa pressão média de perfusão e míopes. Em relação ao diabetes, os estudos são conflitantes na associação dessa moléstia com GPAA, mas esses pacientes podem desenvolver um tipo grave de glaucoma que é o glaucoma neovascular.


Fonte: iSaúde Bahia